Loading...

Translate

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O milagre do gênesis




Semeando a paz os versos se propagam
como o amor em ascensão
Longe do véu da tristeza o êxtase
Longe do êxtase o presente cruel
Tudo no mundo muda
Seja para melhor ou pior


Piada revelada sob a face da fome
De ninguém mais é a culpa além do homem
A liberdade é clara para todos
Que ainda sim teimam em abraçar a ignorância


O que faz descobrir uma alma inexistente

Celebrando as causas em que não podem ser conhecidas em si mesmas
mas somente por seus efeitos
De transformar cinzas em cinzas.

terça-feira, 20 de abril de 2010


Agora eu quero falar poucas palavras sóbrias
Sobre uma vida que por assim dizer intensamente não vivi.
Ainda é cedo eu sei, porém, existe sempre um talvez!
Eu só queria apenas outra vez poder sorrir...
Eu quero agora apenas ficar quieto,
Curtir a lama que ficou em mim...
Os sentimentos engarrafados e a alma enlatada, sim
Talvez pudesse eu mudar, mas só você poderá me levantar!

Por assim dizer,
estou atordoado por estar distante até de mim mesmo
diga-se de passagem,
Desde o dia em que a estrela não brilhou mais para mim
Estou trancado em meu mundo.

Warner Araújo.
20/04/2010.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Partículas mortais



Perdi-me muitas vezes pelo oceano da eternidade, buscando uma partida rápida para escapar de minhas perseguições mentais. Busca essa, que resulta em voar sem asas nem que seja por alguns segundos. Uma viagem para o outro lado da lua.
Muitas vezes me perdi no oceano da eternidade, vagando, sem destino, sem rumo algum, sem a esperança de que um dia tudo irá ficar perfeito, sem aquela vaga idéia de redenção que nos persegue como tormenta, pois não passa de apenas conturbadas flegelações mentais.
De nada adianta a percistência, só o vento leva embora tudo que a alma não aceita. E eu fico aqui, nos mesmos resultados em voar sem asas. Este mundo é tão pequeno como particulas mortais dentro de sua matéria.


Warner Araújo.
19/09/2008.

Então...



Foi tão difícil compreender
O quanto o tempo passou
E você está tão diferente
Surpreendente o quanto você mudou

Ah, eu acho que estou cego
Ou o meu mundo se virou
Ah, foi tudo assim tão de repente
Desde a primeira vez em que você cantou

Agora eu guardo tudo para mim
Mas não é egoísmo
Um simples modo de não atrapalhar
A vida por quem tenho amor puríssimo


Warner Araújo.
05/04/2010.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Às vezes o tempo vem logo após...


Às vezes pairo no ar como a fumaça de um cigarro
Tento ter paz até chegar às estrelas
Todo percurso da mente vaga em uma viagem por portas abertas
Canais ligados por única imaginação
Onde não há limites para inspiração da alma em ascensão

Loga após, eu volto para o deserto mais perto que há dentro de mim
Tudo esconde-se pelos cantos
Estou em meu casulo
Até a esperada hora em que voarei sem asas mais uma vez

O tempo descança até às horas abertas
O morto retorna a vida atual
O canto maldito trás como tormenta
O silêncio das almas em presente astral


Warner Araújo.
24/09/08.

Eles dormem na cara da triste verdade


Crianças dormem sem comer
O sangue jorra sem pesar
Um novo instante pelo avesso
A esperança não se acha mais

Não ter um novo dia
Como o amanhã sem lágrimas de sangue
Vivendo o velho dia
Comum amanhã ensanguentado

Não há como não ressaltar
Seu sonho é apenas um lar
É podre e triste ao mesmo tempo
Eles dormem na cara da verdade



Warner Araújo.
30/09/08.

Como um todo, desculpas


Desculpe-me anjo
Por todos os meus pecados armazenados em minha mente e coração
Seguir os mandamentos do ser não amado
E estar isolado em minha solidão obscura

Desculpe-me anjo
Por apagar as luzes de um céu tão estrelado
Ser a lava que destrói tudo e todos ao redor
Transformar em pedra as emoções eternas

Desculpe-me anjo
Por não estar puro em tuas orações
Não acreditar no salvador
Também por isso te pesso perdão



Warner Araújo.

Tão perto e tão longe


O tempo passa diante dos meus olhos
Os mesmos vagam e clamam refúgio
Crepusculo de uma mente veemente
Estou cansado de ser apenas a diversão para a carne
Minha alma está só
Perto do fogo e longe do amor






Warner Araújo.
outono de 2007

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Há verdades mesmo que não haja voz


Sem saber qual o melhor
estou agora à espera de uma redenção
Todo siliêncio vem como um, só
Mas há verdades mesmo que não haja voz
Agora um louco no nada
Eu tenho tudo e não tenho nada

Por que a dor acordou
E não há mais luzes em minha íris à brilhar
Contorço-me em vida
Pois a alma corroeu
Agora você me diz que eu tenho que fazer
Algo para não adormecer

Sem saber qual o melhor
Vivo perdido no deserto que há em mim
Estando à espera de uma redenção
Nado em copos sem soluções


Warner Araújo.
13/12/2008.

Samara


Antes que eu siga me prove
Que os corações não são uno
Antes que eu diga não se importe
Se não sou o que imaginou para si
Uma viagem dentre sensações
Por momentos que quis
Sem saber que eras tudo para mim

Verdades sejam ditas sobre os erros mais complexos
Que um dia vim a fazer sem saber te ter
Agora tudo ficou tão claro
Eu sinto a falta de você me fazer sorrir
Verdades sejam ditas nunca iremos dizer adeus
Pois os erros mais complexos serviram para eu perceber
O quanto meu mundo é seu


Warner Araújo.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Tudo fica perfeito


Na alvorada desta morte quem sabe um toque sobrenatural
e tudo fica perfeito do seu jeito em constante astral
Os contrastes dessas idas e vinda me ilumina a solidão
Quem sabe uma viagem em nossa mente
O descanço é uma redenção
Tão perto estou do fogo
Com a alma em ascensão


Warner Araújo.

Solilóquio


Saudades da minha linda morena
Sua pele doce e umida, como o ar orvalhoso da noite serena
De seu sorriso limpo sem falsidades
Lembrando- me que na inoscência não há maldades
Olhar luminoso que penetra almas... digo-te o que é verdade plena
Saudades da minha linda morena


De sorrir com o espírito de quem ainda sabe sorrir
Sobretudo a ti admitir que os dias são mais felizes quando estais aquí
Após uma troca de sentimentos e líbido
Delinear seu corpo em folhas quando tu vens dormir
Nos guardando por milênios
Do mesmo véu que em ti eu sempre vi
Cobrindo o lindo ser puro em alvor


Saudades da minha linda morena
Do aroma do morango que há em ti pois és suprema
De tudo que em teus olhos eu sentia
E dentro do teu corpo em total fervor
Me falta o ar e a consciência, às vezes me bate a demência
Quando longe estou de minha linda morena...
Saudades, há saudades
Do mesmo modo o amor


Warner Araújo.

Morfina


Longe da flor mais bela
O horizonte fica cada vez mais distante
E as estrelas se ocultam com todo sentimento
Semblante vago, alma ao relento

O espírito envelhece no vazio dos fluídos
E o grito do silêncio tem como tormenta o amanhã que sempre chega
A primavera está aquí mais uma vez
E não há vidas ao meu redor

Eu estou só em meio de multidões
Sem a flor que mesmo longe está aquí dentro
Vivo sem a certeza de que estou vivo
Trancafiado em meu sarcófago o velho espírito vaga

É estranho e todo corpo fica dormente
Não adianta o consumo exagerado de entorpecentes
Pois a flor, aquela flor única e bela
Ainda continua distânte, longe do meu sangue que congela em minhas artérias

Encontro-me no abrigo dos braços e abraços da solidão
Mais pesado que o infinito
É saber que você é aprnas uma gota no oceano da eternidade
Sou um simplório ofengante

Há pedaços espalhados por todo o chão
Resíduos de uma mente brilhante
Longe da flor mais bela não há como fugir de um ciclo vital
Do pó eu nasci para o mesmo retornarei

O tédio engloba todo o meu corpo
Dentro do espelho que prende minha alma
Em meu sarcófago psíquico sinto não sobrviver
Um dia em filosofia solitária o espirito vaga sem direção

Os sentimentos sempre escapam e todo corpo fica vazio
Meu mundo está fora de tempo
Paralizado olhar que clama refúgio
Estou me pondo lentamente

Olhos de fogo em um submundo
São as portas da consciência
Na maresia do mar de mistérios o mar vem se ocultar
Por trás de trânses quase profundos todos estão mortos

E eu estou aquí afundado no oceano da eternidade
Planando no vácuo infinito
Eu vejo a morte reviver
Em meus versos sem verso

Com os olhos da dor solitária
vojo ao longe a linda flor chorar sem lágrimas
Onde tudo já não faz mais nenhum sentido
O mar silencia e eu estou só

Longe da flor mais bela
Me vejo só e a vida continua apodrecendo
Um dia de céu em chamas
Aquí estou com a vida repleta de morfina


Warner Araújo.

A auto-destruição


Como ondas do mar a dor costuma voltar
Diante de tanto horror não vejo mais o mesmo alvor
No ápice da misericórdia relembram das estrelas de glórias
Esquecendo de todo temor de quem vive no amor

Olho à minha volta
E vejo o mundo ao meu redor
Olho à minha volta
Não há mais nada além do pó

A alvorada em tormenta sem a certeza do amanhã
Distante estou de um futuro por toda eloquência
Agora sempre eu me pergunto como pode ser um dom
De sempre mutilar o que me faz estar
O que me faz ser e o que me faz viver



Warner Araújo.
15/02/2010